Custom Bg
 

Paliativismo

Origem: Wikipédia.

Paliativismo é o conjunto de práticas médicas que visa oferecer dignidade e diminuição de sofrimento mais comum em pacientes terminais ou em estágio avançado de determinada enfermidade.

Os cuidados paliativos, baseados nos conceitos da Ortotanásia, se concentram em amenizar os sintomas da doença e dar apoio físico e psicológico ao paciente e à família, integrando diferentes profissionais da área médica, havendo ou não possibilidade de cura. A prática é menos conhecida e utilizada em países subdesenvolvidos.

 

Profissional de Saúde

Literatura sobre Cuidados Paliativos

» Publicações sobre Cuidados Paliativos no INCA

» Livro Texto
Oxford Textbook of Palliative Medicine, 2nd. edition, 1998 
A obra é uma referência em Cuidados Paliativos. A primeira edição de 1993 foi um marco no ensino e divulgação destes cuidados. Esta segunda edição tornou-se mais completa com a aquisição de novos capítulos. Fundamental para que quer se dedicar a esta especialidade.

» Artigos 
AMA Council on Scientific Affairs. Good Care of the dying patient. JAMA 1996;275:474-478. 
Revisão de literatura com informações epidemiológicas, prevalência de sintomas e críticas ao sistema de saúde atual.

Pellegrino ED. Emerging ethical issues in palliative care.JAMA 1998;279:1521-1522. 
Editorial em que se discute aspectos éticos em cuidados paliativos. Leitura rápida e informativa.

Cleeland CS, Gonin R, Hatfield AK et al. Pain and its treatment in out patients with metastatic cancer. NEJM 1994; 330:592-596. 
Estudo multinstitucional da ECOG relativo ao controle da dor em pacientes com câncer metastático.

Valera JP, Aubry R. Morphine - Doctor`s beliefs and myths. European Journal of Palliative Care, 2000;7(5). 
Com base em resultados de um questionário enviado aos médicos de uma instituição universitária francesa, são apresentados alguns dos mitos relacionados à utilização de morfina e a necessidade de treinamento adequado a profissionais de saúde.

 

Perguntas e Respostas sobre Cuidados Paliativos

Todo paciente com câncer tem dor?
A grande maioria dos pacientes com câncer avançado sente algum tipo de dor. Porém, na maioria dos casos, a dor é controlada através de medicamentos por via oral. É importante lembrar que somente o médico poderá avaliar o melhor remédio para a dor do paciente.

Por que os pacientes perdem o apetite?
A falta de apetite é bastante freqüente nos pacientes com câncer. Isto acontece, principalmente, devido às alterações metabólicas. Além da própria doença, outros fatores como a falta ou redução das atividades físicas, a manifestação de dor ou ainda alterações no estado psicológico podem contribuir para piorar este estado.

O que fazer pelo paciente que não está mais querendo comer?
Pacientes oncológicos tendem a perder o apetite. Por isso, não devem ser lembrados a todo momento que não comem como antes, e nem devem ser sobrecarregados de comida. A vontade do paciente deve ser respeitada, porém, alguns conselhos podem amenizar a situação: 

• Distraia o paciente na hora da alimentação e faça deste um momento tranqüilo 
• Ofereça pequenas quantidades de comida várias vezes ao dia e diminua a quantidade de líquido ingerida durante as refeições 
• Enriqueça a dieta com alimentos variados, como: na vitamina de frutas, acrescente leite em pó e uma farinha; na sopa, misture legumes, carne, óleo ou azeite e ovo e bata tudo no liqüidificador

Como deve ser feita a limpeza da boca?
O paciente, quando não tiver dificuldade para andar, deve fazer a limpeza da própria boca regularmente após as refeições. Pacientes, com limitação de movimento porém conscientes, devem ter ao seu alcance o material necessário para que ele mesmo faça sua higiene. Em ambos casos, é recomendada a utilização de escova de dente macia e creme dental com flúor. Quando o paciente estiver inconsciente ou confuso, uma outra pessoa deve fazer a limpeza da boca com gaze embebida em um solução anti-séptica, como por exemplo a cepacaína, pelo menos seis vezes ao dia.

O que fazer quando o paciente tem dificuldade para engolir?
O primeiro passo é saber o que está causando esta dificuldade. Ela pode ser causada por alguma infecção como herpes, por uma irritação conseqüente dos tratamentos já realizados, ou até mesmo por uma compressão na garganta que impede ou dificulta o ato de engolir. Estes problemas podem ser solucionados através de medicamentos ou, se o paciente optar, com a colocação de uma sonda para possibilitar a alimentação. Uma dieta apropriada, orientada pela nutricionista, também ajuda a diminuir o desconforto.

O que é alimentação por sonda?
A sonda é um tubo bem fino que é colocado no paciente, pelo nariz ou diretamente no estômago ou intestino, para que ele possa se alimentar. Neste caso, a dieta será composta somente de líquidos coados e preparada conforme orientação da nutricionista.

Quais são os cuidados que devo ter com a colostomia?
Observe a cor (deve ser vermelho vivo), o brilho, a umidade, a presença de muco, o tamanho e a forma. Limpe a estoma delicadamente, com água, de preferência durante o banho. Não é necessário esfregá-la. Evite roupas com elásticos ou cintos que apertem a estoma. Caso perceba alguma anormalidade, comunique imediatamente o serviço de enfermagem.

Quais os cuidados que devo ter com a pele ao redor da colostomia?
A pele ao redor da colostomia requer um cuidado especial porque o contato prolongado com as fezes pode causar irritação. Para manter a integridade e a aderência da pele ao dispositivo deve-se ter os seguintes cuidados: 

1 - NUNCA utilizar substâncias agressivas à pele, como álcool, benzina, colônias, tintura de benjoim, mercúrio, merthiolate, pomadas e cremes. Estes produtos ressecam a pele, favorecendo o aparecimento de feridas e reações alérgicas. 
2 - A limpeza da pele ao redor da colostomia deve ser feita com água e sabão neutro. Não é necessário esfregar com força ou usar esponjas ásperas. 
3 - Tome cuidado com insetos, em especial as moscas. Não permita que eles pousem na colostomia ou na pele ao redor. 
4 - Procure o serviço de enfermagem sempre que notar alguma anormalidade.

O que é a traqueostomia e quando ela é indicada?
É uma cirurgia simples para colocação de um pequeno tubo de metal (chamado de cânula) na região próxima ao "Pomo de Adão", para facilitar a entrada do ar. Ela é indicada quando existe alguma obstrução que dificulta a passagem de ar da boca ou nariz até os pulmões.

Quando acontece a obstrução à passagem de ar?
Quando há a presença de um tumor obstruindo a garganta (laringe) que dificulta a chegada de ar aos pulmões.

Também pode acontecer depois de alguns tipos de cirurgia, quando a garganta fica inchada, o que pode dificultar a respiração. Nestes casos, é necessário fazer um abertura temporária para a passagem de ar, até que a garganta volte ao normal.

 

Quais são os sinais de obstrução?
Há vários sinais que podem ser sentidos. Caso apareça algum deles, procure uma equipe de profissionais do hospital. Esclareça todas as suas dúvidas.

- Acessos freqüentes de tosse;
- Sensação de asfixia, ou de "estar se afogando no seco", falta de ar; 
- Respiração ruidosa (barulhenta) e com esforço ;
- Dificuldade para respirar ao deitar (dificuldade para dormir deitado); 
- Falta de ar após pequenos esforços. A pele pode ficar muito pálida ou azulada;
- Engasgos freqüentes.

Como fazer a limpeza da subcânula de traqueostomia?
O conjunto de cânula metálica de traqueostomia possui duas peças: a cânula e a subcânula. A cânula é a peça mais externa, que fica presa ao pescoço pelo cadarço. A subcânula é a peça que fica por dentro da cânula, e que deve ser limpa no mínimo três vezes ao dia, para evitar entupimento e uma conseqüente falta de ar. O cadarço da cânula deve ser trocado no mínimo uma vez ao dia ou sempre que estiver sujo. Para limpar a subcânula, proceda da seguinte maneira:

1. Retire o cadarço antigo. Lave-o ou jogue-o fora se estiver muito desfiado.
2. Coloque o conjunto de cânula de molho em água e sabão por alguns minutos. Use um recipiente somente para isso. 
3. Depois que a crosta de secreções estiver amolecida, esfregue bem a cânula e a subcânula, por dentro e por fora, usando uma esponja ou uma tira de tecido com sabão. 
4. Enxagüe com água corrente para tirar todo o resíduo do sabão. 
5. Esterilize o conjunto completo em água fervente por 10 minutos, no mínimo. 
6. Após a esterilização, guardar em recipiente com tampa (também esterilizado ou bem desinfetado com álcool). Este recipiente deve ser utilizado apenas para a cânula.

O paciente que faz a traqueostomia se tornará dependente dos outros?
Não. A pessoa traqueostomizada pode se cuidar sozinha, pois a traqueostomia e a cânula não interferem no dia-a-dia. Para aprender a mexer na traqueostomia e na cânula, basta um treinamento simples com a equipe de enfermagem.

No momento da alta hospitalar, na enfermaria, você receberá orientações apenas quanto ao manuseio e limpeza da subcânula

O que você pode fazer caso haja alguma dificuldade com a traqueostomia?
Sempre que houver qualquer problema procure o hospital. Lembre-se que, embora não pareça, alguns problemas são fáceis de resolver, como por exemplo:

• Entupimento da cânula por crostas de secreção acumulada (evite o acúmulo de secreções mantendo sempre a cânula limpa);
• Saída acidental da cânula;
• Expectoração de secreção com vestígios de sangue.

É importante manter a calma, pois o pânico aumentará a dificuldade de respirar.

O que você pode fazer para evitar problemas?
Aprenda a trocar sua cânula sozinho, assim que possível. Procure não depender de outras pessoas para manter a sua saúde, principalmente quando se trata da sua traqueostomia. Lembre-se de que ela é fundamental à sua "boa respiração".

Troque o conjunto completo da cânula todos os dias ou quantas vezes forem necessárias, de preferência com horários fixos (Ex.: às 7 horas e às 21 horas). Sempre que for fazer a troca tenha à mão todo o material necessário:

 
• conjunto completo de cânula esterilizada (já com o cadarço); 
• lubrificante para a cânula; 
• uma gaze para acolchoar e outra para limpar ao redor do traqueostoma.

 

Outras sugestões importantes:
Limpe a subcânula três vezes ao dia, no mínimo, e a mantenha sempre no lugar. Ela é a sua segurança em casos de entupimento, por exemplo, pois você poderá trocá-la rapidamente, sem ficar sufocado.

Mantenha uma boa higiene na área ao redor da traqueostomia, limpando-a cuidadosamente com sabonete neutro (sabonete de bebê ou de glicerina) e água limpa, pelo menos duas vezes ao dia.

Conserve a região ao redor da traqueostomia com a pele bem hidratada com um creme suave, sem perfume.

Utilize um acolchoado (com duas gazes dobradas) entre a cânula e a pele do pescoço, mantendo-o sempre limpo e seco. Isso evitará que a cânula incomode ou irrite a pele ao redor do traqueostoma.


  Mantenha a traqueostomia protegida por um avental pequeno (rede de crochê) para evitar a entrada de poeira ou ciscos e principalmente o ressecamento da traquéia e dos brônquios. Lembre-se de que agora o ar que entra em seus pulmões não passa mais através do nariz, onde era filtrado, aquecido e umidificado naturalmente. Isso significa que você deverá tomar mais cuidado com a qualidade do ar que respira.

Use material macio para o cadarço e não o coloque muito apertado, de forma que não machuque seu pescoço.
Tosse e nebulizações:
Faça nebulizações sempre que sentir muito ressecamento nas vias aéreas ou estiver com dificuldade para expelir a secreção dos pulmões. É comum isto ocorrer pela manhã, logo após acordar. Neste caso, faça uma nebulização com soro fisiológico (5ml).

É comum ter tosse após a traqueostomia. Não se preocupe! Isto se deve à maior quantidade de partículas de poeira que entram (antes filtradas pelas mucosas da boca e narinas) e que serão eliminadas pela tosse.

Não deixe que a secreção expectorada fique acumulada ao redor da cânula. Isso favorece a infecção pulmonar e atrai insetos devido ao mau cheiro que produz.

Também é comum que a subcânula saia durante os acessos de tosse. Se isto acontecer, coloque outra subcânula limpa no lugar. Lave e esterilize novamente aquela que caiu. Se você não conseguir encontrá-la, encaminhe o conjunto que ficou incompleto para o hospital, assim que puder.

Quando seu conjunto de cânula estiver amassado ou perdendo o cromado, troque por outro novo.

Ao sentir "falta de ar", faça o seguinte:
1. Retire a subcânula e faça a limpeza das crostas aderidas, recolocando-a depois.
2. Se você já sabe trocar sua cânula, troque o conjunto completo por outro limpo e esterilizado.
3. Se mesmo assim você está sentindo que o ar que entra por sua traqueostomia não é suficiente, procure o Setor de Emergência do hospital. Esta é a maneira correta de avaliar o que está acontecendo. Não perca tempo procurando outras instituições ou "esperando melhorar sozinho".

Procure os profissionais da saúde sempre que tiver dúvidas ou qualquer dificuldade com sua traqueostomia. Não perca tempo com "curiosos" que não conhecem bem o seu caso.