Custom Bg
Image

GDC - Benefício ou Necessidade?

Estudos comprovam que a saúde e o bem-estar físico e mental influenciam diretamente na qualidade de vida.
Por isso cada vez mais as empresas vêm se preocupando com o Cuidado e Gerenciamento destes pacientes Crônicos, que além de proporcionar um benefício se torna uma necessidade estratégica para as companhias de saúde.

Gestão de Tratamento x Gestão de Saúde

A empresa acredita que o ser humano portador de patologia sistêmica crônica ou aguda deve ser assistido através de múltiplas ações integradas, que garantam a melhor qualidade de vida a despeito de sua condição com os menores custos sociais e econômicos possíveis. Estas múltiplas ações envolvem recursos assistenciais, prestadoras de serviços de saúde, participação dos cuidadorese familiares, além do próprio cliente no que diz respeito ao seu auto-cuidado. Pensando nisso criamos o programa com base no “DiseaseManagement Program”, (Programa de Gerenciamento da Doença) que já vem sendo utilizado com sucesso nos EUA.

A GESTIONE conta com uma equipe de enfermeiros exclusivamente treinada e qualificada tendo como objetivo evitar as reinternaçõese/ ou complicações decorrentes da patologia.

Etapa inicial do programa tem como meta a monitorizaçãodo paciente, através de uma consulta inicial da enfermeira com identificação das condições de saúde do paciente para posterior elaboração e implementação de uma assistência individualizada.


Objetivo Principal

Assistência diferenciada à pacientes portadores de doenças crônicas ou patologias severas e complexas.
É realizado considerando os riscos encontrados na identificação da população e as intercorrênciassurgidas durante o acompanhamento.

Administração dos recursos financeiros disponíveis de forma equilibrada, o controle e a racionalização dos custos para que seja possível o fornecimento de atendimento efetivo e com qualidade aos usuários dos serviços.

Uma central que atuánesses casos de agravamento da saúde e acompanhara os monitorados que estiverem internados e em ambiente domiciliar.

A operadora de plano ou seguro saúde deve ter resultado positivo nas suas operações, para que possa continuar investindo na entidade ou empresa, possibilitando a continuidade das suas atividades e beneficiando os usuários.
Os recursos administrados pela GestioneSaúde devem ser gerenciados de forma que todos os usuários possam ter acesso aos serviços quando deles necessitarem


Meta do Programa

A GESTIONE serve como um dos elos na atenção global ao paciente.

Entre as idéias centrais para o desenvolvimento do programa estão a coordenação e integração dos conhecimentos científicos sobre as patologias de abrangência, promoção do auto-cuidado ao paciente, disponibilização dos serviços de assistência prestados ao conveniado, viabilização e auxilio no acesso do paciente e sua família aos recursos materiais existentes.

Desse modo temos como meta deste programa:

-Melhorar a qualidade de vida de nossos clientes;
-Estimular a participação da família no cuidado do cliente;
-Desacelerar a progressão da doença;
-Prevenir as hospitalizações;
-Diminuir as complicações em longo prazo.


Equipe Gestione Saúde

O profissional capacitado para este monitoramento será o enfermeiro encarregado especificamente para o programa. Este terá como função: o levantamento dos dados do paciente (patologia, presença ou não de cuidador, aspectos familiares, adequação e utilização de medicações), o planejamento, implementação e avaliação da eficácia dos cuidados a serem prestados utilizando protocolos pré-estabelecidos moldados conforme as necessidades de cada cliente.

Realizará contatos telefônicos e/ou visitas domiciliares periódicas, agendadas previamente, seguindo-se um protocolo específico.

O programa também contará com os demais profissionais da GESTIONEpara este monitoramento entre eles, Fisioterapeutas, Fonoaudiólogas, Nutricionistas, Terapeuta Ocupacional e Psicóloga.


Funcionamento do Programa

O programa baseia-se no contato da equipe de saúde com o paciente, familiares e cuidadores, médico responsável e convênio. O convênio poderá entrar em contato com o cliente e fornecer dados de utilização do programa.
A inclusão do paciente no programa deve ser de conhecimento do médico assistente.

Trabalharemos com os casos de maior utilização de serviços e alguns diagnósticos mais específicos.

Os pacientes serão classificados por níveis de risco logo após a indicação para o programa a fim de se evitar situações de cuidados desnecessários ou a não efetividade no acompanhamento de casos mais complexos.
Esta classificação direcionará quantitativa e qualitativamente o plano de cuidados (necessidade de visitar domiciliares, suporte de outros profissionais, etc...).

Nosso trabalho inicia-se com a análise do perfil do risco de uma população, por meio do mapeamento de seu comportamento, considerando a estrutura de saúde utilizada por ele. O cenário encontrado traduz informações amplas e detalhadas, envolvendo todos os riscos, nos seus diversos níveis, tendências de custos, além da projeção de ganhos ao se optar por implantar um programa de Gerenciamento de Doentes Crônicos.

Definido o público a ser trabalhado, iniciamos nosso plano de ação, que será executado por profissionais compostos por enfermeiras e auxiliares, suportados por uma equipe multidisciplinar, que engloba diversas áreas: médica, social, nutricional e psicológica.

O monitoramento dos crônicos é realizado por contatos telefônicos e visitas presenciais, considerando os riscos encontrados na identificação da população e as intercorrênciassurgidas durante o acompanhamento.
Para mensurar a performance de nossa atuação, bem como dos resultados obtidos com o programa, apresentamos aos nossos clientes relatórios periódicos que são discutidos e avaliados pelo grupo gestor do projeto.


Nossa Estrutura

Estudamos o Cenário, a Estrutura e os Objetivos de cada operadora para desenvolver o programa de Gerenciamento de Doentes Crônicos.

Nossa estrutura compreende:

Central de Gestão da Saúde com suporte de Equipe Multiprofissional;
Suporte Médico, para intercorrências;
Modelo de apuração de resultados: econômicos, operacionais, clínicos, por freqüência de
utilização, por índice de satisfação do usuário e do médico;
Modelo estruturado de Relacionamento com os médicos dos monitorados;
Análise do Perfil e Classificação do Risco da população;
Modelo estruturado de avaliações individuais;
Metodologia para Pesquisa de Satisfação com médicos e usuários;
Análise de Risco de Depressão e Nutricional.


Categorização dos Pacientes

Todos os pacientes admitidos no programa deverão ser classificados de acordo com o grau de risco após consulta enfermagem no domicílio. A classificação dos pacientes não é permanente e será validada durante a avaliação mensal do programa. Isso que dizer que um paciente pode ser de alto risco e após um mês de permanência no programa ser re-classificado como paciente risco intermediário e vice-versa.

A. Alto risco ou críticos:
Tratam-se de pacientes provenientes de uma internação hospitalar ou com risco iminente de reinternação. Para estes pacientes a consulta inicial, realizada pela enfermeira, deverá ser no domicílio com a utilização de instrumento específico para coleta de dados, classificação do paciente e exame físico completo.
Este paciente necessitará obrigatoriamente de visitas domiciliares semanais para acompanhamento próximo das ações implementadas e controle de parâmetros fisiológicos. O acompanhamento telefônico deverá ser realizado a cada 4 dias nas 4 primeiras semanas, posteriormente a cada semana e sempre que necessário.

B. Risco intermediário:
Pacientes que apresentam internações hospitalares repetidas ou tem realizado exames em uma freqüência maior do que o indicado para a sua patologia ou que tenham apresentado algum episódio de descompensaçãoda doença de base, mesmo que isto não leve à internação.
A consulta de enfermagem inicial deverá ser feita no domicílio e também utilizando instrumento específico para a coleta de dados e classificação do paciente. Este paciente necessitará de duas consultas de enfermagem domiciliares mensais. O acompanhamento telefônico deverá ser realizado semanalmente.

C. Baixo risco:
Pacientes cujo estadiamentoda patologia indique um risco crescente de descompensaçãoA consulta de enfermagem inicial deverá ser feita no domicílio com a utilização de instrumento específico para coleta de dados e classificação do paciente. A consulta de enfermagem para acompanhamento será realizada mensalmente. O contato telefônico será realizado a cada 15 dias ou de acordo com o agendamento solicitado.